Baralho de Ideias

Quem ganhar uma vaza dará início à seguinte.

Contabilidade de Custos | Gestão | Analítica – O Custo Industrial

Criei esta categoria para ajudar quem precisar de algumas dicas para Contabilidade de Gestão ou Planeamento e Controlo de Gestão.

Cálculo do Custo Industrial de Produção:

Fonte: adaptado do livro Contabilidade de Gestão de António C. Pires Caiado

Análise do Esquema apresentado:

O Custo Industrial de Produção (CIP) é constituído por 3 principais componentes: Matéria-prima, Mão-de-Obra Directa e Gastos Gerais de Fabrico.

  • Matéria-Prima (MP): EiMP + (Compras + Custos de compras – Devoluções – Descontos Comerciais) – EfMP
  • Mão-de-Obra Directa (MOD): Salários dos Operários + Custos Sociais
  • Gastos Gerais de Fabrico (GGF): Ei Materiais Indirectos + Compras Materiais Indirectos – Ef Materiais Indirectos + MOI + Outros custos de produção indirectos (energia eléctrica, amortizações dos equipamentos, das máquinas e do edifício industriais, etc.)
  • NOTA: Materiais Indirectos inclui Matérias Subsidiárias e/ou Materiais Diversos

O Custo Industrial da Produção Acabada (CIPA) corresponde ao custos industriais que ocorreram durante o período (CIP), acrescentando o valor de produção não acabada (PVF) existente no início do período e retirando o valor de produção não acabada do fim do período.

O Custo industrial da Produção Vendida (CIPV) resulta de aos custos industriais incorporados nos produtos (CIPA), acrescentarmos o valor de produção acabada (PA) existente no início do período e retirando o valor de produção acabada do fim do período.

Custo Complexivo obtém-se somando ao Custo industrial da Produção Vendida (CIPV), os Custos Não Industriais: Custos de Distribuição, Custos Administrativos e Custos Financeiros.

Legenda:

  • Ei – Existências Iniciais
  • Ef - Existências Finais
  • C.Primo: Custo das Matérias-Primas e Mão-de-Obra Directa
  • C.Transformação: Custo da Mão-de-Obra Directa e dos Gastos Gerais de Fabrico
  • MOI – Mão-de-obra Indirecta

TS

About TANIA SARAIVA

Profissão: - Gestora de Mercado na Portugal Telecom - Assistente Convidada no ISCAL Educação: - Mestrado em Contabilidade no Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa - Licenciatura em Gestão no Instituto Superior de Economia e Gestão

85 comments on “Contabilidade de Custos | Gestão | Analítica – O Custo Industrial

  1. Isabel Ferreira
    9 Março 2013

    Preciso de calcular o custo industrial utilizando o sistema de custeio racional.

    Podem-me ajudar?

    • TANIA SARAIVA
      9 Março 2013

      Olá Isabel,

      pode ver o artigo sobre Sistemas de Custeio onde se apresenta o cálculo do CIPA pelos 3 sistemas de custeio que se aplicam em Portugal.

      Mas o cálculo do custo industrial pelo sistema de custeio racional assenta na ideia de incluir os Custos fixos industrias na proporção da produção. Isto é:

      CIPA = C.Variáveis + C.Fixos x (Actividade Real / Actividade Normal)

      C. Variáveis = incluem todos os custos industriais que variam com a produção: MP, MOD componente variável e os GGF variáveis, como a energia, matérias subsidiárias, entre outros

      C.Fixos = incluem todos os custos industriais que independentemente do nível de actividade da empresa são assumidos, por exemplo: renda da fabrica, depreciações / amortizações, MOD componente fixa, etc.

      Actividade real corresponde à produção real do período em análise, enquanto a Actividade Normal seria a actividade expectável para a capacidade instalada na fabrica.

      Exemplo: A empresa XPTO tem uma capacidade instalada para 50.000 unidades, no mês passado produziu 40.000 unidades.

      40.000 = actividade real
      50.000 = actividade normal

      Segundo o SCRacional apenas 80% (40.000/50.000) dos C.Fixos Industriais devem ser imputados aos produtos, isto é ao Custo Industrial.

      Cumps,
      TS

  2. ANTÓNIA
    2 Abril 2013

    GOSTEI MUITO, E DIZER QUE ESTAS FORAM AS MELHORES E MAIS SIMPLES DAS EXPLICAÇOES FACIL DE COMPREENDER. NAO DEIXA ESSE CORAÇÃO. BJS DA ANTÓNIA CHUMBO RODRIGUES

    • TANIA SARAIVA
      3 Abril 2013

      Olá Antónia,

      agradeço o comentário. E estou sempre à disposição para ajudar a tornar a Contabilidade mais simples e divertida!

  3. Domingos Macanda
    10 Abril 2013

    Olá pessoal, preciso saber se existe diferença entre custo comercial complexivo e custo completo, por favor ajudem-me.

    • TANIA SARAIVA
      10 Abril 2013

      Olá Domingos,

      repare que Custo Comercial Complexivo resulta da soma dos custos realizados pela empresa em determinado período não industriais: Distribuição + Administrativos + Financeiros, enquanto o conceito “Custo Completo” é aplicado ao Sistema de Custeio Completo ou Total, como é mais conhecido.

      É que falar em Custos Complexivos não é o mesmo que, falar de Custos Completos.

      O Custo Completo é o termo que se aplica ao sistema de custos completos (ou Sistema de Custeio Total), em que todos os custos são introduzidos no circuito contabilístico analítico. Isto é, o conjunto dos custos diretos e indiretos industriais são encaminhados até ao cálculo do CIPV (custo industrial dos Produtos Vendidos).

      Espero ter esclarecido as suas dúvidas!
      TS

  4. Rogelson Mavenda
    16 Abril 2013

    Gostei da pagina

    • TANIA SARAIVA
      16 Abril 2013

      Obrigada, fico feliz por contribuir!

  5. rsofia19
    17 Abril 2013

    Olá.
    Precisava de saber como calculo o custo industrial dos produtos acabados e dos produtos em vias de fabrico pelo método das unidades equivalentes?

    • TANIA SARAIVA
      17 Abril 2013

      Olá Sofia,

      irei criar um post que explique como aplicar o método das unidades equivalentes para calcular as Ef e PA.

      Qual a sua urgência?

      • rsofia19
        17 Abril 2013

        Olá.
        Tenho um pouco de urgência uma vez que irei ter exame no dia 20 Abril.

        Tenho alguns exercicios de exame que tenho que resolver dos quais tenho algumas duvidas. Será que podera ajudar na resolução?
        Obrigada

      • Celeste Macamo
        11 Setembro 2013

        Ola Tania, tenho um exercicio de 2 produtos que pede para calcular CIPA, gostariade saber qual e o valor que devo usar para material prima depois de abrir o T pois pensei que fosse o valor da MP consumida mas Segundo a coreccao da minha docente nao e o valor que usaram e no dia que fizeram coreccao eu xtava ausente. agradcia

      • TANIA SARAIVA
        11 Setembro 2013

        Olá Celeste,

        no cálculo do CIPA devemos utilizar sempre a MP consumida. Mas só conhecendo o exercício em causa é que consigo compreender a resolução da sua docente. Pode-me enviar os dados?

        Cumps,
        TS

  6. Devis
    18 Maio 2013

    Gostei que continue assim.

  7. Jochua Paulo Nhumaio
    6 Junho 2013

    Desejo ter informacoes acerca da cadeira.

    • TANIA SARAIVA
      6 Junho 2013

      Boa tarde Jochua,

      que tipo de informações precisa?

      Cumps,
      TS

  8. Nadine
    10 Julho 2013

    Olá boa tarde, encontrei este blog durante a minha pesquisa de controlo e gestão industrial. Alguém me consegue indicar que livro comprar para alguem sem bases de gestão industrial um bom livro para aprender? Algo do tipo “Gestão industrial para tótós”. Obrigada

    • TANIA SARAIVA
      10 Julho 2013

      Olá Nadine,

      Não conheço nenhum livro para tótós! O livro mais conhecido e utilizado nas universidades é o livro do Dr. António C. Pires Caiado, Contabilidade Analítica e de Gestão. Não sei é se será um livro fácil de estudar sozinha!

      Cumps,
      TS

  9. Rui Currais
    11 Julho 2013

    Boa tarde Tania,
    Fui despedido de uma empresa industrial que utilizava o custeio industrial, penso que de uma forma profissional, até porque era uma multinacional. Queria aplicar o conhecimento adquirido com formação num software. Vou tentar o PHC manufactor tem alguma opinião ou conhece outras soluções?

    • TANIA SARAIVA
      13 Julho 2013

      Olá Rui,

      em termos de software não tenho grande opinião, pois só conheço o utilizado na PT.

      Cumps,
      TS

  10. Paulo
    18 Julho 2013

    Boa tarde Tania. Em Abril coloquei uma duvida sobre o calculo de custo industrial de producao. O esclarecimento foi dos melhores. Mas importa referir que tenho um caso concreto que tenho como duvida. Que passo a apresentar:
    a) Pede-se o custeio industrial da producao de 2 artigos pelos sistemas de custeio tota e variavel, admitindo que a empresa segue, sucessivamente, os criterios de imputacao de base multipla dos GGF.
    b) Demonstracoes de Resultados por funcoes pelos dois sistemasde custeio (Os custos fixos de producao sao repartidos na proporcao de 1/3 e 2/3, respectivamente).

    • TANIA SARAIVA
      18 Julho 2013

      Olá Paulo,

      pode-me enviar a parte do enunciado e não só as perguntas?

      Cumps,
      TS

      • Paulo Vasco Machava
        24 Julho 2013

        A Tudor Mocambique, Lda dedica-se a produção de pilhas secas, produzindo duas marcas distintas, que são 777 e Long Life em frasco de solução, vendidas em caixas de 100 frascos.
        Num dado mês dispõe-se dos seguintes elementos:
        Designação Unidade C Unitário 777 Long Life
        Produtos Acabados
        Produção Caixa 5.000 4.000
        Ei
        Quantidades 1.200 1.000
        Custo por caixa (a) 7.200 14.200
        PVF
        MP Cunsumida (b)
        777 Kg 200 60.000
        Long Life Kg 500 72.000
        Solução Lt 1.500 10.000 10.000
        Frascos Unid 10 262.500 210.000
        MOD Hh 600 6.000 4.000
        GGF

        Preparação das MP Hh 4.000 1.000
        Enchimento de frascos Hh 2.000 3.000
        Os GGf incorridos foram imputados aos produtos em função do número de horas de MOD
        A repartição dos GGF segundo a sua variabilidade (considere o MOD um cust variável) é a seguinte:
        Custos Preparação das MP Enchimento de frascos Total
        Fixos 120.000 112.500 232.500
        Variáveis 255.000 137.500 392.500
        Distribuição 1.316.000
        Administração 484.000
        Financeiros 560.000

        As vendas foram as seguintes:
        777 em frascos de solução 480 caixas a 1.000Mt
        Long Life em frasco de solução 450caixas a 1.800Mt
        Pretende-se:
        1. Cálculo do Custo industrial de produção de 777 e Long Life pelo sistemas de custeio Total e Variável, admitindo que a empresa segue , sucessivamente, os critérios de imputção de base Múltipla dos GGF.
        2. Elaboração da demonstração por funções pelos dois Sistemas de Custeio(c).
        (a) Pelo custeio total. Admita que o custo unitário pelo custeio Variável é igual ao da produção do mês determinado por este custeio.
        (b) A empresa adopta o critério de valorização de existências LIFO.
        (c) Para o efeito de elaboração de demonstração de resultados pelos custeio variável admita que os custos fixos industriais são repartidos pelo 777 e pelo Long Life, na proporção de 1/3 e 2/3, respectivamente.

      • TANIA SARAIVA
        26 Julho 2013

        Olá Paulo,

        não quer enviar o enunciado por email. é que assim está meio esquisito e tenho medo de indicar valores errados.

        Por curiosidade este exercícios é antigo, certo? Ainda utiliza o LIFO, que já foi abolido da contabilidade desde que entrou o SNC!

        Cumps,
        TS

      • TANIA SARAIVA
        2 Agosto 2013

        Olá Paulo,

        já que não me envia um email, para eu lhe conseguir responder correctamente, veja se os dados que me enviou estão correctos no quadro e responda só às minhas dúvidas:
        1º As vendas de 777 foram 480 caixas apenas? E o que significa 1.000 Mt??? Tenho a mesma dúvida para o Long Life.

        Designação Unidade C Unit.  777 Long Life
        Vendas
        Frascos de solução Caixa 1.000mt 480
        Frascos de solução Caixa 1.800mt 450

        PA
        Produção Caixa 5.000 7.000
        Ei
        Quantidade 1.200 1.000
        Custo por cx 7.200 14.200
        PVF
        MP consumida
        777 Kg 200 € 60.000
        Long Life Kg 500 € 72.000
        Solução Lt 1.500 € 10.000 10.000
        Frascos Unid. 10 € 262.500 210.000
        MOD Hh 600 € 6.000 4.000
        GGF
        Preparação das MP Hh 4.000 1.000
        Enchimento de frascos Hh 2.000 3.000

        Os GGF incorridos foram imputados aos produtos em função do número de horas de MOD
        A repartição dos GGF segundo a sua variabilidade (considere o MOD um cust variável) é a seguinte:

        Custos Preparação das MP Enchimento de frascos Total
        Fixos 120.000 112.500 232.500
        Variáveis 255.000 137.500 392.500
        Distribuição 1.316.000
        Administração 484.000
        Financeiros 560.000

        Se os dados estiverem bem os CIPA unit. já os calculei:
        MP MOD GGF Total Unit.
        CIPA SCT 777 29.625.000 € 3.600.000 € 400.000 € 33.625.000 € 6.725,00 €
        CIPA SCT LL 53.100.000 € 2.400.000 € 225.000 € 55.725.000 € 7.960,71 €

        CIPA SCV 777 29.625.000 € 3.600.000 € 259.000 € 33.484.000 € 6.696,80 €
        CIPA SCV LL 53.100.000 € 2.400.000 € 133.500 € 55.633.500 € 7.947,64 €

        Aguardo o seu feedback para concluir a análise deste exercício. Se ainda tiver interesse!

        Cumps,
        TS

      • paulo vasco machava
        7 Agosto 2013

        Oi Tania, tenho a honra de reeviar a questao que havia enviado previamente. Aguardando a resposta via email. da primeira vez os dados sofreram formatacao.

        Cumprimentos

        No dia 2 de Agosto de 2013 s 11:49, Baralho de Ideias escreveu:

        > ** > TANIA SARAIVA commented: “Ol Paulo, j que no me envia um email e > para lhe conseguir responder correctamente veja se os dados que me enviou > esto correctos no quadro e responda s s minhas dvidas: 1 As vendas de > 777 foram 480 caixas apenas? E o que significa 1.000Mt?” >

  11. Diandra
    14 Agosto 2013

    Brigada gente ajudaram muito nem,imaginam o quanto estou aliviada.

    • TANIA SARAIVA
      16 Agosto 2013

      Olá Diandra,

      ainda bem que ajudou!

      Bjs

  12. santosric
    19 Agosto 2013

    Olá boa noite. Estou a estudar para o exame de contabilidade de gestão I, não consigo compreender com clareza o que é “Custo do Produto” e “Custo do Periodo”, sendo o CIPV um custo do periodo.. Se alguém me puder ajudar … Obrigado pela atenção. Cumprimentos =)

    • TANIA SARAIVA
      19 Agosto 2013

      Olá Santos,

      A grande diferença entre esses dois conceitos prende-se com o facto dos custos do período serem os custos referentes ao período em análise (por exemplo o mês) e os custos do produto são todos os custos desde o início da produção até a produção estar pronta para entregar no cliente.

      O conceito de custos de período está por isso muito associado à Demonstração de Resultado, onde são colocados todos os custos relacionados com o período em análise. O conceito de custo de produção está relacionado com o produto, saber o custo unitário daquele produto em análise.

      Espero ter ajudado. Qualquer dúvida adicional, não hesite!

      Cumps,
      TS

      • santosric
        19 Agosto 2013

        Ola Tânia boa tarde,
        Obrigado pela ajuda, ainda não tinha conseguido encontrar uma explicação tão concisa como a que me deu. Como disse no blog estou a estudar para o exame de Contabilidade de Gestão I. Já ando a estudar à bastante tempo e ando a repetir exercícios, encomendei o livro contabilidade de gestão I – Vitor Seabra Franco, na procura de matéria mais detalhada e mais exercícios.
        Como domina tanto esta área gostaria de saber se dá explicações de cont. gestão I. As minhas duvidas prendem-se com exercícios onde se use o critério LIFO ou exercícios de apuramento do custo por secções.
        Obrigado pela atenção,Melhores CumprimentosRicardo Santos
        Date: Mon, 19 Aug 2013 08:03:14 +0000
        To: elementmod@hotmail.com

      • TANIA SARAIVA
        19 Agosto 2013

        Olá Ricardo!

        Quando é que será o seu exame? Eu não me importo de combinar umas aulas de dúvidas para a ajudar podemos combinar isso, se quiser.

        Em relação às suas dúvidas, faz-me confusão ainda estar a estudar o LIFO, que deixou de ser prática em Portugal com a entrada do SNC. Mas, não tem nada de especial face a um FIFO é só inverter a lógica!

        Cumps,
        TS

  13. santosric
    19 Agosto 2013

    Sim, em outras unidades curriculares já nem se fala do critério LIFO, até outros docentes da mesma unidade curricular também não usam, mas o professor actual insiste … “Determine o custo de produção do produto acabado, valorizando as existências de produtos em vias de fabrico pelo método das unidades equivalentes, adoptando como critério valorimétrico FIFO, LIFO e CMP” – Exemplo de exercicio que ainda não domino. Para o FIFO e CMP estou à vontade, mas utilizando o LIFO ou mudando umas variáveis do enunciado fico um pouco baralhado.

    Obrigado

  14. santosric
    21 Agosto 2013

    Tânia,

    como aqui referido anteriormente as melhores e mais simples explicações.. Tudo se torna fácil de entender..

    Obrigado

  15. Celeste Macamo
    11 Setembro 2013

    Gostei, gostaria de ter o seu email.

  16. Celeste Macamo
    11 Setembro 2013

    Ola Tania, tenho um exercicio de 2 produtos que pede para calcular CIPA, gostariade saber qual e o valor que devo usar para material prima depois de abrir o T pois pensei que fosse o valor da MP consumida mas Segundo a coreccao da minha docente nao e o valor que usaram e no dia que fizeram coreccao eu xtava ausente. agradcia

    • TANIA SARAIVA
      11 Setembro 2013

      Olá Celeste,

      no cálculo do CIPA utilizamos sempre a MP consumida. Se me enviar os dados eu posso tentar verificar a correcção da sua docente.

      Cumps,
      TS

  17. Fernando Perdão
    27 Setembro 2013

    Olá Tânia,
    Pode me indicar algum livro sobre Custos para um treinamento de 40hs. Não sou eu quem irá aplicar o treinemento. Este deve conter os conteúdos básicos: Administração de Custos; Custos Diretos; Custos indiretos; Custo dos produtos vendidos; Sistemas de acumulação de custos; Métodos de custeio; Projeto de viabilidade econômica; e Custo ABC. Aguardo

    • TANIA SARAIVA
      28 Setembro 2013

      Olá Fernando,

      recomendo sempre um dos dois livros:
      António C. Pires Caiado, Contabilidade Analítica e de Gestão;
      Vitor Seabra Franco. Contabilidade de gestão I

      Cumps,
      TS

      • Fernando Perdão
        30 Setembro 2013

        Olá Profa.Tania,
        Muito obrigado pela indicação dos livros.

        att.

        Fernando

  18. António Brito
    28 Setembro 2013

    Olá Prof. Tânia!!

    Estava a pesquisar sobre um tema de contabilidade analítica no google (estou a estudar para o próximo exame da OTOC em Outubro) e, quase sem querer, encontrei este site..

    Tenho pena de não ter sabido da existência deste site no 1º semestre deste ano, quando estava a frequentar isoladamente da disciplina de “Contabilidade de Gestão” no Iscal, mas também acabou tudo por correr bem.

    Já que estou por aqui, aproveito para lhe colocar uma dúvida na resolução de um exercício (semelhante a alguns que fizemos nas aulas.

    Trata-se de apurar a diferença de resultados entre o SCT e o SCV.

    Consigo perceber a diferença, aplicando o CIPA * EF, mas se quiser construir a DR por Funções para tentar chegar a essa mesma diferença já não consigo.

    Envio então o exercício:

    “A empresa Beta iniciou a sua atividade em 1 de janeiro do ano N e produziu neste ano 20.000 toneladas de produto. Em 31 de dezembro do ano N havia stock de 2.000 toneladas.
    A empresa segue o sistema de custos totais.
    Sabendo que o preço de venda praticado foi de 120,0 €/tonelada e que a estrutura de custos/gastos anuais foi a seguinte (em euros):

    Fixos Variáveis
    - Fabris 600.000 800.000
    - Distribuição 365.000 15€/tonelada
    - Administrativos 235.000 -

    O resultado antes de IRC, caso seguisse o sistema de custeio variável:
    a) Diminui 50.000€.
    b) Diminui 80.000€.
    c) Aumenta 30.000€.
    d) Aumenta 80.000€.

    Sei que a resposta é a B, mas pela DR não consigo lá chegar. Já agora, pode ajudar sff?

    Muito Obrigado.

    Continuação de Bom trabalho neste página. Gostei muito.

    Atentamente,
    António Brito

    • TANIA SARAIVA
      28 Setembro 2013

      Olá António,

      estive a olhar para o exercício que me enviou e de facto a diferença entre os 2 sistemas é de 60.000€ e não 80.000€ como sugere. Até porque é impossível calcular o RAI porque não são conhecidos os C.Financeiros. Contudo e face aos dados que me disponibilizou os resultados passíveis de calcular seriam os seguintes:

      SCT SCV Dif
      Vendas 2.160.000 € 2.160.000 €
      CIPV 1.260.000 € 720.000 €
      MB 900.000 € 1.440.000 €
      CINI 0 € 600.000 €
      MIND 900.000 € 840.000 € 60.000 €
      CD 635.000 € 635.000 €
      Varia. 270.000 € 270.000 €
      Fixos 365.000 € 365.000 €
      MLIQ 265.000 € 205.000 € 60.000 €
      CA 235.000 € 235.000 €
      RO 30.000 € -30.000 € 60.000 €
      CF
      RAI

      Isto tendo em consideração que os CIPAs são:

      SCT = (800.000€ + 600.000€)/20.000 = 70€
      SCV = 800.000€/20.000 = 40€
      CINI SCV = 70 – 40 = 30€

      Não tem mais nenhum dado?

      Cumps,
      TS

      • António Brito
        28 Setembro 2013

        Olá Prof. Tânia,

        Antes de mais obrigado pela sua resposta.

        De facto não tenho mais nenhum dado adicional. Esse foi um exercício que saiu no exame de Outubro de 2012 da OTOC.

        Eu referi que a resposta era a alínea b), pois é a que eles têm na Grelha.

        Mas o que é certo, é que construindo a DR não chegamos a esse resultado.

        Calculando mais rapidamente de outra maneira, através das EF e multiplicando pelos respetivos CIPA´s, também da a diferença de 60.000 € e não 80.000 € (Do que me lembro das nossas aulas este também era uma das maneiras de explicar as diferenças entre estes dois custeios).

        Portanto, este exercício deverá ter sido alvo de recurso para quem também não concordou com nenhuma das 4 respostas.

        Obrigado na mesma pelo seu parecer. Queria só confirmar se estava a fazer mal algum cálculo ou não.

        Muito Obrigado pela atenção e rápida resposta!:))

        Atentamente,
        António Brito

  19. Fernanda Serralha
    29 Setembro 2013

    Tenho orgulho em a ter tido como professora de Contabilidade de Gestão. Esta página está espetacular. Um Beijo

    • TANIA SARAIVA
      29 Setembro 2013

      Olá Fernanda,

      foi um prazer conhece-la e desejo-lhe tudo de bom para si!

      Beijinhos Tânia

  20. Helena
    5 Outubro 2013

    ola prof. tânia :)
    tenho algumas dificuldades a contabilidade analítica e precisava de uma ajuda sff. num exercício, tenho como dados para o mês de dezembro:

    compras de farinha de trigo – 5000 kgs a 0.75 €/kg
    compras de cacau – 1800 kgs a 6€/kg
    compras de açúcar – 1200 kgs a 0.85 €/kg

    Existências iniciais do mês:
    farinha de trigo – 1000 kgs a 0.7€/kg
    cacau – 200 kgs a 5.5€/kg
    açúcar – 100 kgs a 0.83 €/kg
    matérias subsidiárias – 4000€
    produtos acabados – 2000 kgs a 10.5 €/kg

    existências finais do mês:
    farinha de trigo – 700 kgs
    cacau – 1100 kgs
    açúcar – 100 kgs
    produtos acabados – 1000 kgs

    produtos em vias de fabrico no final do mês:
    matéria-primas – 6892.5 €
    mão-de-obra directa – 5852.5 €
    gastos gerais de fabrico – 5647.5 €

    produção acabada – 8000 kgs

    a empresa utiliza o método do FIFO na movimentação das saídas de existências.

    as minhas dúvidas são:
    - qual o valor das matérias-primas durante todo o mês.
    - e qual o valores da MP para os produtos acabados.
    agradeço desde já qualquer tipo de ajuda :) bj

    • TANIA SARAIVA
      8 Outubro 2013

      Olá Helena,

      Quando pergunta sobre o Valor da MP para os PA estamos a falar de MP consumida para produção. Logo calcula-se em 2 passos:

      1º Procurar a Quant. Consumida de MP: Qcons = Ei + Compras – Ef
      Ex. Farinha de Trigo: 1.000 + 5.000 – 700 = 5.300Kg

      2º Aplicar o critério valorimétrico em causa: FIFO = Qei x cunit ei + (Q.consumida – Qei)xcunit compras
      Ex. Farinha de Trigo: 1.000 x 0,7 + (5.300 – 1.000) x 0,75 = 3.925€

      Agora é aplicar a mesma lógica às restantes MP!

      Em relação ao valor da MP durante o mês, não sei bem o que quer dizer com isto. Pode ser:

      O valor das Compras efectuadas durante o mês? Se sim, cunit x Q comprada
      O valor das Ef que ficaram no armazém? Se sim, cunit. compras x Qef
      O valor que existia em armazém antes do consumo do mês? Se sim, é a soma das Ei + Compras

      Cumps,
      TS

  21. Maria
    16 Outubro 2013

    Boa tarde,
    precisava que me ajuda-se a resolver o seguinte exercício:
    Numa empresa que fabrica peças para máquinas industriais, por encomenda, no `mês de Dezembro p.p. o Custeio Industrial foi de 50.000€ (Enc.1- 31.000€,Enc. 2 – 19.000€), a PVFi foi de 14.000€ (Enc.1)
    No final do mês a Enc.1 não foi terminada. O CIPA foi o seguinte (justifique a sua opção):
    a) 45.000€
    b) 19.000€
    c) 64.000€
    d) 0€
    Gostaria de saber como se calcula.
    Cumprimentos
    Maria

    • TANIA SARAIVA
      17 Outubro 2013

      Bom dia Maria,

      De reparar que esta empresa trabalha por encomendas logo deve aplicar o Método Directo. Que defende que os Custos de Produção só estão concluídos quando a obra termina. Assim sendo, no caso apresentado tendo a Enc.1 ficado em curso no mês em análise, só a enc. 2 é que entra para o cálculo do CIPA.

      Cumps,
      TS

      • Maria
        17 Outubro 2013

        Agradeço a ajuda. Muito obrigada
        Maria

  22. Filipa Mendes
    20 Outubro 2013

    E como se calcula o custo primo dos pordutos acabados e dos produtos em vias de transformação? Obrigada!

    • TANIA SARAIVA
      21 Outubro 2013

      Olá Filipa,

      O Custo Primo resulta sempre da soma dos custos associados à MP e MOD. Assim, se estivermos à procura do CPrimo para os PA será sempre:

      Custo Primo PA = Ei(PVF MP) + Ei (PVF MOD) + MP + MOD – Ef(PVF MP) + Ef (PVF MOD)

      Legenda:
      Ei/Ef(PVF MP) = Existência Inicial/Final de Produtos em vias de fabrico de Matéria-prima
      Ei/Ef (PVF MOD) = Existência Inicial/Final Produtos em vias de fabrico de Mão-de-obra directa

      O Custo Primo dos Produtos em vias de transformação será sempre a mesma lógica, mas aqui terá de considerar apenas a MP e MOD utilizada para a produção que ficou em curso, ou seja, não é Produto Acabado.

      Cumps,
      TS

  23. Paula Amaral
    21 Outubro 2013

    Boa tarde Tania,

    Precisava a sua ajuda para resolver um exercicio, existe maneira de lhe enviar o enunciado

    • TANIA SARAIVA
      21 Outubro 2013

      Olá Paula,

      já lhe enviei um email para a ajudar.

      Cumps,
      TS

  24. Paula Amaral
    21 Outubro 2013

    Tânia,

    Desculpe o incomodo, ainda não recebi, pode reenviar.

    Grata pela ajuda

    • TANIA SARAIVA
      24 Outubro 2013

      Olá Paula,

      em relação ao exercício que me enviou é necessário calcular o CIP, o CIPA e depois a quantidade que ficam em armazém no final do período (Ef PA).

      Assim, para o cálculo do CIP devemos considerar:

      O CIP é composto pelas várias componentes de produção, logo deverá apurar para cada produto:
      1) MP consumida = Qm1 x pcompra + Qm2 x pcompra + Qm3 x pcompra
      2) MOD utilizada = Horas utilizadas x custo da hora
      3) GGF – neste caso tem 2 critérios de imputação.
      3.1) o primeiro através da MOD, neste caso deve distribuir os custos de cada uma das secções pelo total de horas de MOD;
      3.2.) o segundo através das H das secções, aqui deve repartir o custo de GGF pelas horas de trabalho que cada utilizou para cada produto.

      Após, conhecer estes 3 valores por produto só tem de adicionar as EiPVF e subtrair as EfPVF para obter o CIPA. Será necessário (como estamos a utilizar o critério FIFO) apurar o valor unitário do CIPA, que resulta da fórmula: CIPA/Produtos Acabados

      Posteriormente, pode efectuar a DR por produto até à Margem Bruta, a partir da MB só consegue apresentar a DR para o TOTAL e não por Produto, uma vez que, os custos não industriais não estão distribuídos por produto.
      Na DR ter atenção ao cálculo do CIPV, onde deve ter em conta o critério FIFO: CIPV = Eipa x Cunit. + (Qvendida – Eipa) x cipa unit. apurado p/ a produção

      Para apurar as Ef de PA deverá em primeiro lugar encontrar a Quantidade que ficou em armazem. Como?
      Ef = Ei + Produção – Vendas
      Depois para valorização das mesmas é só aplicar o cipa unit. (uma vez que as Ei já foram vendidas).

      Qualquer dúvida não hesite.

      Cumps,
      TS

  25. Ana Duarte
    3 Novembro 2013

    Ola bom dia, gostaria de saber se é possivel me tirar umas duvidas num exercicio que a formadora nos propos, o enunciado do exercio nº5 esta no link http://www.iseg.utl.pt/aula/cad96/CAN%202006-2007.pdf
    nao tenho a certeza se as secções principais sao os aoutocarros e os gastos administrativos e as secções auxiliares sao a concervação e os gastos comuns.
    De todos este foi o exercicio mais complicado que a formadora nos colocou. queria tentar resolve-lo, mas nao estou a atinar com os dados para fazer os coeficientes de impotação par fazer a reparticao dos gastos.

    • TANIA SARAIVA
      8 Novembro 2013

      Olá Ana,

      Este exercício é de facto um pouco mais complexo do que os restante, efectuei-o em 2005 em Contabilidade Analítica :)

      A lógica deste exercício é:

      1º Estamos perante uma empresa de serviços, logo “as Carreiras” são os “produtos” da empresa.

      2º Os autocarros serão tratados como se fossem as Secções Principais. Ou seja, se fizer a analogia com uma fabrica os autocarros equivalem às maquinas onde a MP é transformada em Produtos. Logo, na construção do Mapa dos Custos de Transformação deverá considerar:

      1º Secções Principais: Autocarro 50L e Autocarro 80L
      2º Secções Auxiliares: Conservação e Gastos Comuns

      Qualquer dúvida adicional não hesite!

      Bom trabalho!
      TS

      • paulo vasco machava
        10 Novembro 2013

        Boa noite. Peco apoio em matria de elaborao e interpretao do MOAF.

        Cumprimentos

        No dia 8 de Novembro de 2013 s 16:52, Baralho de Ideias escreveu:

        > TANIA SARAIVA commented: “Ol Ana, Este exerccio de facto um pouco > mais complexo do que os restante, efectuei-o em 2005 em Contabilidade > Analtica :) A lgica deste exerccio : 1 Estamos perante uma empresa de > servios, logo “as Carreiras” so os “produtos” da em” >

      • TANIA SARAIVA
        12 Novembro 2013

        Olá Paulo,

        que tipo de ajuda precisa?

        Cumps,
        TS

      • paulo vasco machava
        13 Novembro 2013

        Bom dia Tnia. A ajuda por mim pretendida consiste numa lio detalhada de como se prepara o MOAF, com base em exemplos. Pelo menos 2 exemplos.

        Com os melhores cumprimentos.

        Paulo

        No dia 12 de Novembro de 2013 s 14:34, Baralho de Ideias escreveu:

        > TANIA SARAIVA commented: “Olá Paulo, que tipo de ajuda precisa? > Cumps, TS”

  26. TANIA SARAIVA
    15 Novembro 2013

    Olá Paulo!

    Nesta fase estou um pouco atrapalhada com trabalho, mas assim que me for possível vou pensar na sua sugestão e talvez faça um post com a apresentação do Orçamento Financeira e outro de Orçamento de Tesouraria.

    Cumps,
    TS

  27. Artur Frank
    28 Novembro 2013

    adorei o site

    • TANIA SARAIVA
      28 Novembro 2013

      Obrigada Artur

  28. Maria
    18 Janeiro 2014

    boa noite doutora Tania Saraiva, o professor nos deu uma demostração de resultado com dois prdutos e nos pediu para calcular os custos/gastos industriais do mes imputadoss na fabricação de um dos produtos. não sei como iniciar ou seja o que utilizar. a doutora poderia me ajudar sff?

    • TANIA SARAIVA
      19 Janeiro 2014

      Ola Maria

      Pode-me enviar os dados para eu avaliar o problema?

      Cumps,
      TS

  29. Sara Gilberto
    4 Março 2014

    Boa tarde Tânia.
    Tenho um exercício para resolver e tenho uma dúvida que me condiciona todas as alíneas.

    Um dos dados do enunciado é “Custos Industriais Totais”, compostos por Consumo de matérias primas e Custos de transformação: variáveis e fixos.

    A minha dúvida é onde incorporar o consumo de mat primas.
    CIP = Consumo MP + CTransf, ou seja, CIP = Consumo MP + CVInd + CFInd estará correto?

    E se sim, aplica-se aos 3 sistemas de custeio (total completo, total racional e variável)?

    Posso enviar-lhe o enunciado se lhe der mais jeito.
    Muito obrigada

  30. Sara Gilberto
    6 Março 2014

    Sim, a minha única dúvida é se estarei a incorporar as MP da melhor maneira. Tenho comigo o enunciado e a minha resolução da 1ª questão, onde tenho assinalada a minha dúvida, apenas precisava que a Tânia me indicasse se estou a resolver corretamente.

    Para que e-mail o posso enviar?
    Muito obrigada

    Sara Gilberto

  31. ismael jamal amade
    31 Março 2014

    qual e formula para calcular custo primo de produtos acabados

    • TANIA SARAIVA
      31 Março 2014

      Olá Ismael.

      O Custo Primo diz respeito às Matérias-primas consumidas e à Mão-de-obra utilizada na fabricação de determinado produto. Logo a fórmula simples seria igual a CP = MP + MOD. Contundo, se queremos o Custo Primo dos Produtos Acabados temos de verificar se há ou não existências iniciais/finais de Produtos em vias de Fabrico (PVF), pois estas irão condicionar o que foi produto acabado no período em análise.

      Assim, a fórmula será: EiPVF (MP+MOD) + MP consumida + MOD utilizada – Ef PVF (MP+MOD)

      Nota: no caso das Matérias-primas consumidas não esquecer que também pode haver variação de existências (iniciais e/ou finais) assim, temos de ter em atenção o critério valorimétrico adoptado pela empresa (FIFO ou CMP) e calcular as MP consumidas tendo em conta a seguinte fórmula: MP consumida = Ei MP + [Compras - Custos associadas às compras - devoluções] – Ef MP

  32. Fátima Borba
    15 Abril 2014

    Prof, bom dia.
    Precisava de ajuda, estou com muita dificuldade em fazer um trabalho que tenho em mãos, mas não o posso partilhar neste site.
    Será que me podia ajudar?

    Desde já agradeço a ajuda que me possa dispensar.

    Fátima

  33. joaquim pax
    21 Abril 2014

    Gostei

    • TANIA SARAIVA
      21 Abril 2014

      Obrigada Joaquim!

  34. Alfredo TANGO
    9 Junho 2014

    Classifique as seguintes operações em: Custo, Proveito, Despesa, Receita, Pagamento, Recebimento e em Não aplicável.

    1.Factura do despachante pela importação da mercadoria
    2.Nota de encomenda do cliente Fulano
    3.Nota de crédito para Trajano
    4.Constituição de provisões
    5.Abate de imobilizado com mais-valia
    6.Devolução de vendas
    7.Existências iniciais
    8.Obtenção de empréstimo bancário
    9.Factura-recibo de Sicrano
    10.Vencimento da prestação mensal dos encargos financeiros
    11.Assinatura do contrato de arrendamento

    Queira a Tânia fazer o obsséquio de ajudar-me a classificar e se há um método de identificação e classificação,…

    • TANIA SARAIVA
      21 Junho 2014

      Olá Alfredo,

      para classificar as rubricas apresentadas é uma questão de analisar se as mesmas representam:

      1º Um custo para a empresa, ou seja, consiste na utilização dos recursos numa organização;
      2º Uma Despesa que obriga a empresa a pagar, ou seja, corresponde à assunção da obrigação de pagar os custos;
      3º Um Pagamento, ou seja, corresponde ao fluxo de saída de meios líquidos das organizações, constituindo a contra-prestação dos recursos adquiridos;
      4º Um Proveito para a empresa, ou seja, corresponde à cedência de produtos &/ou serviços a terceiros;
      5º Uma Receita que dá o direito à empresa a receber, ou seja, corresponde ao direito de receber os proveitos;
      6º Um Recebimento, ou seja, corresponde ao fluxo de entrada de meios líquidos nas organizações, constituindo a contra-prestação dos bens ou serviços cedidos a terceiros.

      A partir daqui deverá analisar as 11 rubricas e pensar quais as que correspondem às descrições acima indicadas. Se ficar com dúvida nalguma depois pode contactar-me.

      Cumps,
      TS

  35. Ana Catarina Almeida
    21 Junho 2014

    Boa tarde,
    Estou neste momento a resolver um problema relativo a custos industriais e não industriais em que tenho que perceber qual a quantidade necessária para que o Resultado Operacional seja um valor (neste caso,95190). A minha questão prende-se com o seguinte:

    Eu tenho uma demonstração de resultados em que me dizem que as vendas são 750000€, o custo de vendas 600000€, resultado bruto 150000€, custos de distribuição de 39000€, custos administrativos (fixos) de 15000€ e o Resultado Operacional de 96000€.

    Informações adicionais:
    • Preço de venda 75 € por ton.
    • Produção Real 12.000 ton.
    • Produção Normal 15.000 ton.
    • Custo variável industrial unitário: 22,50 €
    • Os custos de distribuição incluem 24.000 € de custos variáveis, os quais são relativos ao transporte dos
    produtos até aos clientes.
    • Não há inventários iniciais de produtos acabados.

    Na pergunta pedem-me para assumir que os custos fixos totalizam 445950€ e calcular a quantidade que é necessário vender para que os resultados operacionais atinjam 95190€. Gostaria de saber se era possível ajudarem-me nesta questão. Obrigada!

    • TANIA SARAIVA
      21 Junho 2014

      Olá Catarina,

      A questão que me apresenta procura saber quanto a empresa tem de vender para que os RO reduzam aproximadamente 0,84%, ou seja passem dos actuais 96.000€ para 95.190€.

      Para tal é necessário resolver a DR sabendo que o resultado final é igual a 95.190€. Isto é:

      Quantidade vendida x (Preço venda – Custo variável industrial unitário – custo distribuição variável unitário) – Custo Fixos (industriais e nãi industriais) = 95.190€ (resultado operacional).

      Nota: se não houvesse variação de existências de produtos acabados (neste caso há existências finais de 2.000 toneladas) poderia recorrer à regra do CVR (Custo / Volume / Resultado) em que GAO = Var % RO / Var % Vendas

      Cumps,
      TS
      Cumps,
      TS

Deixa a tua opinião!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 25 Junho 2012 by in Contabilidade.

Navegação

Jogadas anteriores

Fonte da imagem do cabeçalho

Jogadores

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 39 outros seguidores

%d bloggers like this: