Há umas décadas atrás os custos representavam tudo o que os produtos/serviços tinham custado, o que pressupunha que os custos eram necessária e simultaneamente: Completos. Com a evolução da actividade empresarial, colocaram-se aos gestores importantes tipos de opções, quanto aos Sistemas de Custeio:

  • Custos Completos
  • Custos Parciais
    • Variáveis
    • Fixos
  • Custos Reais
  • Custos Previsionais

 A esta visão multi-dimensional designada por “concepção multi-dimensional da contabilidade de gestão”, podemos definir três critérios:

1. Conteúdo:

  • Custos Completos
  • Custos Parciais:
    • Variáveis
    • Fixos

 2 . Momento do cálculo:

  • Custos Reais, Históricos ou Comprovados
  • Custos Pré-determinados ou Previsionais

 3. Campo de aplicação reclassificação dos custos por natureza da contabilidade geral, em:

  • Produto ou Encomenda
  • Centro de Responsabilidade
  • Funções da Empresa

SISTEMA DE CUSTEIO COMPLETO – neste sistema todos os custos são introduzidos no circuito contabilístico analítico. Ou seja, o conjunto dos custos variáveis e fixos são encaminhados até ao CIPV.

SISTEMA DE CUSTEIO RACIONAL – Quando se considera, em determinadas circunstâncias, que o sistema de custeio completo não satisfaz as exigências de uma contabilidade moderna, o sistema de custeio racional visa “reajustar” os custos completos de forma a que eles sejam representativos das condições de exploração, ou seja, este sistema suprime a incidência da variação do volume de actividade sobre os custos. O seu objectivo é tornar a evolução dos custos independente da variação do nível de actividade.

SISTEMA DE CUSTEIO VARIÁVEL – Trata-se mais de um método de gestão do que um método contabilístico, propriamente dito, que pretende dar resposta às múltiplas necessidades de gestão. Neste sistema apenas os Custos de actividade (variáveis) são encaminhados até ao CIPV e todos os custos de estrutura do período (fixos) devem ser suportados pelos produtos vendidos.

Fonte informação: Baseado no livro de Contabilidade de Gestão de Caiado, António C. Pires

Esquema resumo do cálculo do Custo do Industrial de Produtos Acabados de acordo com cada um dos Sistemas de Custeio:

Legenda:

  • AN – Actividade Normal, Capacidade Normal, Produção máxima possível face à capacidade da fabrica
  • AR – Actividade Real, Produção Real
  • CF IND – Custo Fixo Industrial
  • CIPA – Custo Industrial do Produto Acabado
  • CINI – Custo Industrial não Incorporado
  • CT – Custos de Transformação (englobam MOD+GGF)
  • CV IND – Custo Variável Industrial
  • GGF – Gastos Gerais de Fabrico
  • GGF f – Gastos Gerais de Fabrico fixos
  • GGF v – Gastos Gerais de Fabrico variáveis
  • MOD – Mão-de-Obra Directa
  • MOD f – Mão-de-Obra Directa Fixa
  • MOD v – Mão-de-Obra Directa Variável
  • MP – Matéria-prima
  • PA – Produção Acabada
  • Qpa – Quantidade de Produção Acabada
  • SCR – Sistema de Custeio Racional
  • SCT – Sistema de Custeio Total
  • SCV – Sistema de Custeio Variável

Demonstração de Resultados de acordo com cada um dos Sistemas de Custeio:

Legenda:

  • AN – Actividade Normal, Capacidade Normal, Produção máxima possível face à capacidade da fabrica
  • AR – Actividade Real, Produção Real
  • CA – Custo Administrativo
  • CD – Custos de Distribuição
  • CF – Custos Financeiros
  • cf – Custo Fixo unitário
  • CIPV – Custo Industrial dos Produtos Vendidos
  • CINI – Custo Industrial não Incorporado
  • cv – Custo Variável unitário
  • MB – Margem Bruta
  • MIND – Margem Industrial
  • ML – Margem Líquida
  • Qpa – Quantidade de Produto Acabado
  • Qv – Quantidades Vendidas
  • RAI – Resultado Antes de Imposto
  • RO – Resultado Operacional

TS