Baralho de Ideias

Quem ganhar uma vaza dará início à seguinte.

Método Indirecto (Aplicação do Método das Unidades Equivalentes + critério valorimétrico FIFO)

Aplicação do Método Indirecto a um exemplo com 1 Fase de Produção e que dá origem a Produção Acabada (PA) e produção defeituosa considerada Perda Anormal.

1. DADOS ENUNCIADO

dados

NOTA: O método Indirecto tem resolução diferente consoante a empresa utilize o critério valorimétrico FIFO ou CMP.

A. RESOLUÇÃO PELO FIFO:

1º Débitos na Conta de Fabricação:

Na conta da Fase I colocar os dados iniciais dados pelo enunciado:

inicio T

A partir de agora temos de encontrar os custos para valorização das Ef e dos PA.

2º Cálculo Auxiliar – Unidades Equivalentes

O M. Indirecto assume que os custos devem ser repartidos em função da produção efectiva do mês, isto é, sobre as unidades que se produziram no mês em análise. Assim, as Ei e Ef de PVF não foram 100% produzidas nestes mês. As Ei trazem um determinado grau de acabamento do mês anterior e as Ef vão ficar apenas terminadas num determinado grau. Neste caso concreto verificamos que:

Ei trazem do mês anterior 70% de MP + 10% de CT e as Ef ficaram apenas concluídas em 90% de MP + 70% de CT

CAUX.

NOTAS: 
1. O PA tem sempre 100% de acabamento para qualquer uma das componentes (MP e CT), pq já está acabado.
2. O PA tem sempre 100% de acabamento para qualquer uma das componentes (MP e CT), pq já está acabado à  semelhança do PA. Só tem é defeitos de produção.
3. Nas linhas da Ei e EF devemos colocar os graus de acabamento indicados no enunciado.
4. As UE obtém-se através da multiplicação do grau de acabamento respectivo pelas Unidades Reais.
Ex.: MP do PA: 10.000 x 100% = 10.000
5. A coluna das unidades, corresponde às unidades reais indicadas na conta de fabricação (T).

3º Cálculo da Produção Equivalente (PE)

tabela
NOTAS:
1. No Custos devemos identificar todas as componentes do mês, neste caso, em particular, temos MP e CT
2. Os pontos 2., 3. e 4.  são preenchidos com base no cálculo que fizemos no cálculo das UE (2º Passo)
3. O ponto 5. resulta de: PE = PA (2) + PDef (3) + EF (4) - Ei (5)
4. O Custo do Mês (6.) não é mais do que o valor que nos indicam para cada componente do custo de produção (ver T)
5. O Custo Unitário (7.) é o valor unitário a que iremos valorizar as unidades produzidas e resulta de:  C. Mês (6.) / PE (5.)

4º Valorização das Existências Finais de PVF

Ef = UE (MP) x C.Unit (MP) + UE (CT) x C.Unit(CT) = 1.800 x 60€ + 1.400 x 40,90€ = 165.260€

5º Custo dos PA

PA

Nesta fase, ficamos a conhecer o custo unitário a que iremos valorizar as saídas de armazém (PA).

Após sabermos o valor das Ef que ficaram em curso, já conseguimos saber os custos atribuídos ao PA. Assim, através da demonstração do CIPA, ficamos a conhecer que cada unidade acabada custa à empresa 85,92€. Mas, não nos podemos esquecer que 1.000 unidades são defeituosas e nós considerámos como perda anormal, logo temos de as valorização também a 85,92€.

6º Fecho da Conta de Fabricação

T

About TANIA SARAIVA

Profissão: - Gestora de Mercado na Portugal Telecom - Assistente Convidada no ISCAL Educação: - Mestrado em Contabilidade no Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa - Licenciatura em Gestão no Instituto Superior de Economia e Gestão

5 comments on “Método Indirecto (Aplicação do Método das Unidades Equivalentes + critério valorimétrico FIFO)

  1. Albino J. Maúte
    30 Abril 2014

    Excelenete explicação Drª!

    Eu gostaria de solicitar ajuda da Drª na diferenciação da Contabilidade de Custos, Contabilidade de Getão e Contabilidade Analítica.

    • TANIA SARAIVA
      30 Abril 2014

      Olá Albino!

      muito obrigada.

      Em relação aos conceitos de Contabilidade de Custos, Contabilidade de Gestão e Contabilidade Analítica, podemos afirmar que são sinónimos. Depende muito da universidade onde estuda e do nome que adoptaram.

      Cumps,
      TS

  2. milton
    29 Outubro 2016

    Olá , desculpe o meu atrevimento , mas no caso do custo unitário da prod. eq (fifo) não deveria ser (mp=540000/10000=54 e ct=449900/12000=37,49)???Obrigado

    • TANIA SARAIVA
      31 Outubro 2016

      Olá Milton,

      Este exercício é aplicável ao Método Indirecto. E porque é que não se pode dividir os custos de produção, seja mp seja ct, pela produção acabada (PA)? porque segundo este método os custos de produção devem ser divididos entre a produção efectiva.

      A produção efectiva não é mais do que aquilo que foi efectivamente produzido em determinado período: ou seja, os Produtos Acabados mais um determinado grau de existências em vias de fabrico que não ficaram concluídas, mas que já absorveram parte do custo de produção (mp + ct).

      Assim, se só considerar os PA está a penalizá-los e eles irão suportar um custo superior ao devido.

      Cumps,
      TS

  3. milton
    31 Outubro 2016

    Olá Tânia , eu não estou a dividir pela P.A, mas sim pela produção efectiva ( o exercício é aplicável pelo M.I) , que no meu entender será(10000+1000+1800-2800=10000 para as mp e 10000+1000+1400-400=12000 para os ct).A tania está a considerar que a pe é 9000 e 11000, valores que eu não estou a perceber.
    Por isso (mp=540000/10000=54 e ct=449900/12000=37,49)???
    Se me conseguir elucidar acerca do meu erro e explicar como chega à pe de 9000 e 11000 agradecia.Obrigado

Deixa a tua opinião!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 18 Abril 2013 by in Contabilidade.

Navegação

Jogadas anteriores

Fonte da imagem do cabeçalho

Jogadores

%d bloggers like this: