Considero este exercício bastante útil, apesar de não ter Prestações Recíprocas, é um caso de estudo interessante para visualizarmos a imputação dos GGFs no Método das Secções Homogéneas.

1º Não esquecer que o objectivo final é as Secções Principais (as que têm relação directa com o produto/serviço) ficarem com o custo das secções Auxiliares que trabalham para as primeiras.

Dados do enunciado:

A empresa SH, Lda. está dividida em cinco secções, sendo três delas de produção (A, B e C) e duas auxiliares (S1 e S2). A Contabilidade apresenta, num determinado período, os seguintes custos de  GGFs:

  • Ordenados de engenheiros e outros 1.712.500€
  • Depreciações de móveis e utensílios 54.000€
  • Depreciações de máquinas 253.000€
  • Renda da fábrica 28.300€
  • Quebras de stocks 5.000€
  • Energia eléctrica 12.635€

Os custos directos são imputados às secções de acordo com:

  • Ordenados de engenheiros e outros: N° de empregados
  • Depreciações de móveis e utensílios: Valor dos móveis e utensílios
  • Depreciações de máquinas: Valor das máquinas
  • Renda da fábrica: Área ocupada
  • Quebras de stocks: Custo identificado na secção C
  • Energia eléctrica: Potência instalada

Base de imputação:

BASE

Repartição da actividade das Secções Auxiliares:

S1 – divide a sua actividade de acordo com a seguinte proporção:

  • Secção A          30%
  • Secção B          60%
  • Secção S2         10%

S2 – toda a sua actividade é imputada à Secção C.

RESOLUÇÃO

1º PASSO

Efectuar a repartição dos custos identificados pela Contabilidade. Isto é para cada tipo de GGF identificado repartir pelas várias secções de acordo com o critério de repartição indicado:

Repartição 1ª

Cálculos Auxiliares:

Ordenados dos engºs e outros: Custo da Rubrica/Total de empregados x nº empregados Secção

  • Exemplo Secção A =1.712.500€/(50+25+35+15+12)*50 = 625.000€

Depreciações de móveis e utensílios: Custo da Rubrica/Valor total dos móveis e utensílios x Valor dos móveis e utensílios da Secção

  • Exemplo Secção A =54.000€/(25.000+75.000+50.000+100.000+200.000)*25.000 = 3.000€

Depreciações de máquinas: Custo da Rubrica/Valor total das máquinas x Valor das máquinas da Secção

  • Exemplo Secção A =253.000€/(100.000+225.000+300.000+7.500)*100.000 = 40.000€

Renda da fábrica: Custo da Rubrica/Área total ocupada x Área ocupada da Secção

  • Exemplo Secção A =28.300€/(400+240+720+40+15)*400 = 8.000€

Quebras de stocks – imputado na sua totalidade à secção C – 5.000€

Energia eléctrica: Custo da Rubrica/Potência total instalada x Potência instalada da Secção

  • Exemplo Secção A =12.635€/(1.250+1.150+750+100+75)*1.250 = 4.750€

2º PASSO

Neste passo devemos imputar os custos das secções auxiliares às secções principais, para posterior repartição pelos produtos/serviços.

Assim, de acordo com a informação indicada:

Repartição 2ª

Nesta fase devem em primeiro lugar colocar os valores apurados no passo 1 que serão os custos directos das 5 secções (1ª linha do Mapa).

Em segundo lugar, temos de proceder aos Reembolsos, que resulta da repartição secundária.

O que é a repartição secundária? É a repartição que garante que os custos das Secções Auxiliares são imputados às Secções Principais, de acordo com o critério definido para cada Secção. Se verificarem a S1 reparte o seu custo pelas outras secções em função de % e a S2 trabalho apenas para a secção C, logo todo o seu custo é imputado à secção C.

Atenção: O custo total da S2 só pode ser imputado à secção C após repartição da S1 que também trabalhou para a S2, logo vai imputar parte do seu custo para esta secção.

Cálculos Auxiliares:

S1 – Custo Directo: 203.680€ que serão repartidos da seguinte forma:

  • S2 – 10% x 203.680€ = 20.368€
  • A – 30% x 203.680€ = 61.104€
  • B – 60% x 203.680€ = 122.208€

S2 – Custo Total de GGFs a imputar: CD – 174.585€ + Reembolso S1 – 20.368€ = 194.953€ imputados à Secção C.

Cumps,

TS