Contabilidade

Método Directo – Aplicação Prática

Caso prático muito simples para demonstrar a aplicação do Método Directo.

Conhecem-se as seguintes informações de uma Empresa, referentes ao mês de Abril  e que utiliza o Método Directo de Apuramento de Custos na sua Contabilidade Interna.

  • Produção: Produto “T”
    • A Ordem de Produção (OP)  n.º 22 (400 unidades do produto “T”) foi iniciada em Março e concluída em Abril.
  • Venda: Produto “T” ao preço de € 45/unidade
  • Existências Iniciais
    • Matérias-primas: 200Kg a € 4,25/Kg
    • Produtos em vias de fabrico:
      • OP  n.º 22,  € 1.300,00
    • Produtos acabados:
      • Produto “T” 100 unidades com o valor de € 3.725,00
  • Existências Finais
    • Matérias-primas: a determinar
    • Produtos acabados:
      • Produto “T” 50 unidades
  • Compras de MP: 1.800 Kg a € 4,50/ Kg
  • Custos indirectos de produção (GGF): € 2.600,00
  • Consumo de MP (valorização a custo médio):
  • OP  nº 22  – 1.500 Kg
  • MOD afectada à OP nº 22 – € 1.662,50
  • Os Custos de Distribuição são de € 900,00 e os Custos Administrativos correspondem a 5% das Vendas.
  • A valorização do CIPV e da Ef do Produto Acabado é efectuada segundo o método do custo médio.

1º Contabilização dos Movimentos Contabilísticos

CONTABIL

1. Matéria-Prima:

Sabemos à partida os valores das Ei e das Compras do Mês, logo e uma vez que a empresa utiliza o critério valorimétrico CMP iremos valorizar as saídas de armazém a 4,475€ (8.950€/2.000).

2. A MOD e GGF é totalmente aplicada à OP nº 22. Se existisse mais do que uma OP teríamos de imputar os custos dos GGF em função do critério de repartição definido pela empresa, por exemplo: horas de MOD

3. OP nº 22 – deverá ser debitada com todos os custos a ela imputados. EM 1º lugar se houver Ei de PVF + os custos do mês (MPP+MOD+GGF).

Se a OP ficar concluída (caso do nosso exemplo) no mês em causa deverá ser classificada como CIPA (Custo Industrial do Produto Acabado). Se a OP ficar em curso no mês em causa deverá ser classificada como Ef de PVF e que será a Ei PVF no mês seguinte.

4. Armazém de PA – deverá ser debitado com os custos referentes às quantidades que entraram em armazém. Isto é, Ei de PA (são produtos que transitaram do mês passado porque não foram vendidos) + CIPA (custo do produto acabado do mês – valor da OPnº22).

O CIPV (Custo Industrial do Produto Vendido) e a EF de PA serão apurados pelo CMP: (16.000€/500) x Qv = CIPV e (16.000€/500) x Qef = Ef PA

2º Elaboração Mapa de Controlo das OP

MAPA

NOTA: reparem que este mapa, não é mais do que reflexão dos custos da conta (T) da OP nº 22.
Anúncios

8 thoughts on “Método Directo – Aplicação Prática”

  1. Boa tarde estou resolvendo um exercicío por ordens de produção em que tenho todos os dados e pedem para fazer o mapa de custos industriais , determinado o cipa e o pvf será que podia ajudar-me.pois não estou conseguindo completar o exercicio.
    obrigado
    José Marques

    1. Olá José,

      Qual a sua dificuldade? Se está a resolver o exercício com base em ordens de produção, está a aplicar o Método Directo. Logo, tem toda a informação disponível na contabilização dos custos da produção (MP, MOD e GGF).

      O mapa dos custos industrias, não é mais do que o resumo de todos os custos de produção consumidos/utilizados para a produção definida no período em análise:

      MAPA:
      MP consumida
      MOD utlizada
      GGF Utilizados
      CIP (Custo Industrial da Produção)
      Ei PVF
      – Ef PVF
      CIPA (Custo Industrial da Produção Acabada)

      Deve fazer uma coluna por cada produto da empresa.
      Cumps,
      TS

      1. Oi, Tânia.
        Considerando o método direto, como é que acrescento no mapa de custos os custos diretos, nomeadamente com a mão-de-obra? Ou seja, se o valor e a quantidade da mão-de-obra estão repartidos por centros de custos, como é que redistribuo esses valores pelas ordens de produção?
        Mais uma dúvida, para o cálculo dos custos das diversas secções, o que uso como unidade de imputação, os custos indiretos? Se sim, de que forma faço repercutir os custos diretos por essas mesmas secções?

        Muito obrigado pela ajuda!

      2. Olá Casimiro,

        Tem de me explicar melhor a sua dúvida. Se se refere ao Mapa do Controlo dos Ordens de Produção, em que por linha devemos apresentar os custos associados a cada OP em curso no período em análise, deve somar todos os custos das diferentes secções que trabalharam para a respectiva OP e colocar o valor na coluna de MOD.

        Com certeza, que no exercício há informação sobre o trabalho desenvolvido por cada secção para cada Ordem de Produção (OP), no final soma os diferentes custos das secções e imputa à OP em análise.

        Em relação à 2ª questão, depende da informação que tiver disponível. O mais comum é cada secção ter a sua Unidade de Obra (UO) e imputar os custos através da mesma.

        Cumps,
        TS

  2. Essas duvidas são exatamente as que tenho num exercício que estou a fazer em que me pedem: Mapa de custos industriais, por ordem de produção, determinando o
    custo industrial da produção acabada no mês (CIPA) e o custo da
    produção em vias fabrico (PVF) no final do mês.
    Estou completamente encalhada, ajudam na resolução de exercícios?
    Perciso ver a resolução para compreender…
    Nós não usamos os ts nas aulas…para esta matéria
    Obrigada

    1. Oi Jennifer,

      Várias actividades económicas seguem este método, normalmente indústrias/sectores que trabalhem por encomendas. Exemplos disso são: empresas de móveis ou produção de cruzeiros

Deixa a tua opinião!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s