Baralho de Ideias

Quem ganhar uma vaza dará início à seguinte.

Ilha do Sal (Set10)

O destino ideal para quem não quiser fazer nada, a não ser trabalhar para o bronze. Setembro de 2010, tinha acabado de entregar a minha Tese de Mestrado e estava mesmo a precisar de um sítio onde não tivesse que pensar, para os neurónios relaxarem um pouco. Aproveitámos uma promoção da Soltrópico e lá fomos nós conhecer a Ilha do Sal em Cabo Verde!

PLANEAMENTO:

ROTEIRO DE VIAGEM:

Dia 11 – Início da Aventura

Os voos para Cabo Verde são feitos durante a noite, o que nos obriga a aterrar às 2h30m da manhã, o transfer até ao hotel é rápido. O pior é que a esta hora o pessoal quer é dormir e eles estão todos bem-dispostos a oferecer-nos bebidas e  toalhas e seja lá mais o quê. Então é ver o pessoal todo a atirar-se para cima da recepção a tentar ser o primeiro a ser atendido para ir dormir. Eram 4h da manhã quando conseguimos a chave do nosso bungalow e fomos tentar dormir umas horitas.

O Hotel da promoção era o Hotel Oásis Belorizonte (www.oasisatlantico.com)  que estava a ser renovado e tinha todas as condições para umas excelentes férias. O único problema é a água, a quantidade que corre nas torneiras enerva qualquer um, mas é um problema geral nas ilhas – falta de infraestruturas.

PRAIA:

É a melhor coisa a fazer na ilha, é quase uma ritual. Levantar cedo ir para a praia, sair para almoçar, pescar (já explico mais à frente), voltar para a praia, sair da praia, tomar banho e jantar, assistir ou participar no espectáculo da  noite. Et voilá!

Praia em frente ao Hotel

EXCURSÃO PELA ILHA:

A única actividade que nos obrigou a gastar dinheiro (30€ por pessoa com almoço incluído, num restaurante muito peculiar)! Mas vale a pena conhecer todos os pequenos recantos desta mini-ilha. A melhor parte é quando passamos na zona mais estreita da ilha e conseguimos ver o oceano tanto de um lado como de outro!

Se forem em grupo, aconselho a tentarem alugar um jipe que fica bem mais barato, mas se forem a 2 compensa ir na excursão. Nós não nos arrependemos nada, pois foi nesta excursão que ficámos a conhecer os nossos amigos das aventuras. Com a excursão à volta da ilha ficámos a conhecer os seguintes locais – Espargos (a vila dos souvenirs), Palmeira, Buracona (o olho azul – nós temos um bem maior no Guincho), Terra Boa e Salinas de Pedra Lume (podemos mergulhar em água vulcânica e nunca ir ao fundo. Levem 1€ para tomarem banho de chuveirada depois).

Vila de Espargos

Bucarona e o Meu novo Amigo

Salinas – Piscinas vulcânicas que rejuvenescem (pelo menos é o que nos vendem)

Vila de Palmeira

PESCARIA:

Durante 2 dias fui a anfitriã do porão de pesca!

O Sr. Ferreira (um senhor que me fazia lembrar muito o meu avô) era apaixonado por caça e pesca e passou-nos a semana toda a falar das suas caçadas e pescarias. Quando, a meio de uma conversa me confessou que tinha trazido linha e anzol e eu, obviamente, decidi logo desafiá-lo a ensinar-me a pescar e lá fomos nós para o porão para a grande pescaria. Acreditem que ficou na memória de todos os que assistiram e participaram na loucura que foi aquelas 2 tardes de pescaria! Em envolvi todos, desde risadas a ajudantes houve de tudo. O mais difícil foi convencer os senhores do restaurante a darem-nos camarões para a pesca, depois disso e, à minha maneira meio louca, coloquei todo o mundo que estava no porão a bater palmas cada vez que vinha um peixe, a ajudarem-me a desenrolar a linha e a leiloar os peixes para o jantar. Foi um 2 em 1, diverti-me e os miúdos ainda levaram jantar para casa. Numa só tarde apanhei 13 peixões (Ok, eram pequeninos, mas tive de lutar bastante com eles. Não é que eles não queriam sair da água!!!)

1ª As minhas vítimas; 2ª e 3ª Eu e o meu mentor em plena actividade pesqueira; 4ª Um dos meus melhores ajudantes

A pesca sangrenta do Atum

EXPEDIÇÃO ÀS TARTARUGAS:

Ora bem, segundo os cabo-verdianos as tartarugas desovam em Setembro, então nós e o nosso grupo de portugas decidimos ir explorar essa maravilhosa espécie (adoro tartarugas, sou viciada nelas e nos pinguins também!) Combinámos uma noite após o jantar fazer uma expedição às tartarugas, defini as regras para não as assustarmos (“sprayzada” para os mosquitos não nos comerem vivos, nada de roupas claras e sem flashes nas máquinas) e lá fomos 10 parolos à caça das tartarugas. Verdade seja dita que não encontramos nenhuma tartaruga, mas o facto de andarmos por praias desertas, em que só a luz da lua nos guia foi uma experiência incrível, ao ponto de perdermos um tripulante.

Como perdemos um tripulante? A meio da viagem encontramos uns pescadores, que aproveitavam a noite para pescar e o nosso amigo Comandante (ex-GNR típico: gordo, voz grossa e sempre com  anedota debaixo da língua – uma figuraça!) decidiu ficar com eles à espera que déssemos a volta. A verdade é que quando voltámos o comandante fugiu com os pescadores, nós ficámos um pouco assustados, mas a mulher dele nem queria saber, ignorou por completo a situação. Então lá seguimos o caminho para o hotel e para nosso espanto estava o comandante a dançar com uma das animadoras!

Uma viagem encantadora que terminou no dia 19 de Setembro, mas valeu por todas as experiências fantásticas vividas naqueles 8 dias. Cada vez que conheço mais um pouco do Continente Africano, mais apaixonada fico por ele. Eu quero voltar para a Ilha!

Fim da Viagem!

TS

Próxima Publicação: Genebra, uma cidade encantadora na neutra Suíça!

About TANIA SARAIVA

Profissão: - Gestora de Mercado na Portugal Telecom - Assistente Convidada no ISCAL Educação: - Mestrado em Contabilidade no Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa - Licenciatura em Gestão no Instituto Superior de Economia e Gestão

4 comments on “Ilha do Sal (Set10)

  1. Claudia
    3 Julho 2012

    Beeeeeeeeeeeem… andavas armada em mandona???? AhAhAh

    • TANIA SARAIVA
      3 Julho 2012

      Olá Cláudia!

      Naquela ilha tem de haver alguém que coloque ordem nas tropas, senão as coisas não se fazem!

      Beijos

  2. Claudia
    3 Julho 2012

    É isso mesmo!! Na base do chicote😉

    Então… a experiência (daquelas típicas minhas😉 que vou partilhar contigo… Quando estava toda contente no mar a nadar e sinto uma “chapada” na perna… virei-me para trás para reclamar com o meu irmão já preparada para “Ouve lá… tanto mar e tens que vir nadar em cima de mim e dar-me pontapés??” mas afinal o pobre rapaz já estava na margem em direcção à toalha… e ali estava eu… sozinha… só eu e um TUBARÃOZINHO ali à minha volta… aquela barbatana a rasgar a água… o medo bloqueou-me as cordas vocais pelo que me poupei a uma humilhante cena de gaja histérica mas acho que nunca saí da água tão depressa na minha vida…
    Mas pronto… depois lá me explicaram que eles não mordem humanoides😛 só se estiverem com muita muita fominhaaaaaaa😉

    • TANIA SARAIVA
      3 Julho 2012

      Fogo, isso é que foi aventura. Eu que andava à procura de tudo o que mexe e tu com uma grande sorte tocas num tubarão! Ok, estou a brincar porque eu provavelmente teria a mesma atitude e começava a nadar o + depressa possível dali para fora!

      Essa do não têm fome é até provarem, depois não querem outra coisa!

Deixa a tua opinião!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 3 Julho 2012 by in Viagens.

Navegação

Jogadas anteriores

Fonte da imagem do cabeçalho

Jogadores

%d bloggers like this: